Fundos cambiais: o que são e como funcionam?

Fundos cambiais: o que são e como funcionam?

São vistos como uma boa opção para diversificar a carteira e proteger o patrimônio das oscilações da economia brasileira

Os fundos cambiais representam um tipo de investimento coletivo: os recursos de vários investidores são aplicados em conjunto no mercado, em ativos relacionados à moedas. Os lucros são divididos proporcionalmente de acordo com a quantidade de cotas de cada investidor.

A aplicação do patrimônio dos fundos é feita por um gestor profissional, que tem a responsabilidade de tomar decisões sobre o que fazer com os recursos obtidos, levando em consideração as políticas predefinidas.

Um de fator de risco de um fundo cambial é a flutuação de preço das moedas estrangeiras ou a variação do cupom cambial (remuneração, convertida em dólares, dos recursos investidos no Brasil).

Confira abaixo as principais características dos fundos cambiais:

Rendimento: por ser volátil como a maioria dos ativos relativos a moedas, seu rendimento pode variar consideravelmente.

Tributação: são passíveis de dois impostos, o Imposto de Renda e o IOF (Imposto sore Operações Financeiras). O Imposto de renda recai sobre a rentabilidade das carteiras, não levando em consideração o patrimônio inteiro. Os fundos são divididos em dois tipos de tributação, de curto ou de longo prazo, os de curto com prazo de vencimento abaixo de 365 dias, e os de longo acima de 365 dias.

Investimento:  é recomentado investir nos fundos cambiais investidores que tenham algum gasto no exterior, como intercâmbios ou viagens. Os fundos cambiais auxiliam na proteção ao valor do dinheiro na moeda estrangeira. Pode ser usada também por pessoas que tenham dívidas em moeda estrangeira par quitar e que tenha algum tipo de negócio realizado com parceiros internacionais.

Aplicação: normalmente, os gestores costumam determinar uma aplicação inicial: um valor mínimo que deve ser aportado inicialmente, no primeiro investimento. A aplicação varia de acordo com seu perfil de investidor, nível de sofisticação e risco da carteira. Os valores podem variar, de R$500 há R$25 mil.

Liquidez: antes de investir em fundos cambiais, é recomendado verificar o seu regulamento, para saber a relação à liquidez das carteiras: o que vai determinar o prazo para você ter o retorno do seu investimento e quando poderá fazer o seu resgate.

Como todo tipo de investimento, os fundos cambiais também envolvem riscos, por se tratar de um tipo de investimento que tem uma volatilidade considerável. Existem chances de ganhar ou perder dinheiro, um dos fatores predominantes são as taxas de câmbio, que podem subir ou cair rapidamente.

A dica é: antes de realizar qualquer tipo de investimento, avalie os riscos e leia os regulamentos, isso pode evitar surpresas futuras e pode lhe ajudar a se preparar para a volatilidade do mercado.

Referências:

Fundos Cambiais: guia completo para começar a investir (infomoney.com.br)

Fundo cambial: o que é, como funciona e quais as vantagens? (investnews.com.br)



Fique por dentro do que acontece na ELOS

Completamos um ano de gestão do Plano Único BD CGTEE

Com avaliações positivas dos participantes em relação ao nosso atendimento, time de especialistas e estrutura de governança

Veja mais
ELOS Informa – Newsletter Julho 2022

ELOS Informa – Newsletter Julho 2022

Fique por dentro de tudo que ocorreu na ELOS no último mês. Acompanhe as principais notícias sobre o seu plano.

Veja mais
FAQ Capitalização Eletrobras: respondemos as suas principais dúvidas!

FAQ Capitalização Eletrobras: respondemos as suas principais dúvidas!

Acompanhe neste material como os seus direitos previdenciários estão preservados, mesmo havendo a mudança no modelo acionário de um de nossos patrocinadores.

Veja mais
Eleição Suplementar ELOS: o resultado foi homologado pela diretoria e candidatos eleitos já começam a tomar posse

Eleição Suplementar ELOS: o resultado foi homologado pela diretoria e candidatos eleitos já começam a tomar posse

Conheça os novos membros representantes dos participantes no Comitê de Investimento e no Conselho Deliberativo.

Veja mais