Finanças

Janeiro Branco: saúde mental como prioridade

0 minutos de leitura

13/01/23

A campanha do Janeiro Branco foi criada em 2014, com objetivo de dar visibilidade às questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental e Emocional, pauta que foi deixada de lado por muito tempo. Além dessa pauta, a campanha tem como objetivo a prevenção e o tratamento de doenças mentais.

Mesmo com o alto número de casos de ansiedade e depressão no país, fazer terapia era, até então, um tabu para a maior parte dos brasileiros. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, cerca de 12 milhões de brasileiros sofrem de depressão, o que representa cerca de 5,8% da população. A pesquisa diz que cerca de 20% a 25% da população tem propensão a se tornar depressiva. Quando o assunto é ansiedade, a doença atinge cerca de 20 milhões de brasileiros, 9,3% da população.

Se o problema já era sério, durante a pandemia ele se agravou. De acordo com uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul:

  • 80% dos entrevistados disseram estar mais ansiosos depois do começo da pandemia;
  • 65% disseram sentir mais raiva;
  • 50% tiveram alteração de sono;
  • 63% tiveram sintomas somáticos, como dor de estômago.

Com índices tão altos, fica claro que não estamos sozinhos em nossa vulnerabilidade. É fundamental que normalizemos o diálogo sobre o medo, a angústia, a irritabilidade, a ansiedade, a sensação de impotência e a solidão, sentimentos que, quando reprimidos, podem provocar grande sofrimento psíquico. 

Além do apoio médico, alguns hábitos podem te ajudar a manter a saúde mental em dia:

  • Praticar atividades físicas;
  • Ter uma alimentação saudável e beber a quantidade correta de água;
  • Dormir bem;
  • Ter momentos de lazer;
  • Passar um tempo com as pessoas que ama;
  • Falar o que sente com franqueza e dialogar sempre que necessário;
  • Conhecer a si mesmo;
  • Conhecer seus limites, respeitá-los e impô-los quando necessário. 

Em uma sociedade hiperconectada e exposta à informação o tempo todo, não existe mais espaço para preconceitos e é importante falarmos sobre saúde mental tanto quanto falamos da saúde física. 

Sua saúde mental importa, procure ajuda!