Ações judiciais podem desestabilizar seu plano de previdência

O participante deve avaliar as consequências e conversar com a Fundação antes de procurar a Justiça

 

Como num jogo de xadrez, o caminho judicial deve ser avaliado com cautela pelos participantes dos Planos de Benefícios, afinal, antes do movimento individual de uma peça, é importante observar o interesse coletivo de forma global, uma vez que todos os envolvidos possuem um objetivo comum – defender a saúde financeira do Plano de Benefícios.

 

A solução de problemas ou divergências por meio judicial são legítimos e garantidos a todos os cidadãos (vide box ao lado), contudo, quando falamos em questões envolvendo Plano de Benefícios de caráter solidários, administrados sem fins lucrativos, a reflexão sobre o peso de uma ação judicial deve ser redobrada.

 

Isso por que, os Planos de Benefícios Definidos, tais como o BD/Eletrosul e BD/Tractebel, possuem caráter mutualista, ou seja, pressupõe solidariedade entre patrocinador, participantes e assistidos, em certa medida, muito similares ao jogo de xadrez, onde a desarmonia de um movimento pode expor ao risco (prejudicar) todas as demais peças, principalmente o “Rei”, causando a falsa impressão de que o ganho imediato não trará nenhuma consequência futura.

 

Já nos Planos de Contribuição Definida, embora de caráter individual e financeiro, o peso das ações judiciais também recaem sobre a coletividade, uma vez que o custo deverá ser rateado entre todos os participantes do plano, seja direta ou indiretamente.

 

Quando um participante ganha uma ação judicial modificando os valores do benefício que recebia, sem a respectiva previsão contratual ou de custeio para a concessão imposta, prejudica o patrimônio do plano e principalmente a harmonia entre benefício X receita de cobertura.

 

A manutenção desta harmonia entre benefícios X receita de cobertura que garante a saúde financeira do Plano de Benefícios é do interesse de todos os envolvidos, pois, a saúde financeira debilitada representará um déficit patrimonial, cuja conta será paga de forma igualitária pelos participantes, assistidos e patrocinador, inclusive o próprio Autor da ação judicial, caso contrário, tal desequilíbrio pode levar o “Rei ao xeque-mate”.

 

O contencioso judicial eleva os custos administrativos do Plano de Benefícios, reduzem o fundo que garante o pagamento da aposentadoria de todos os participantes e impõe a entidade uma provisão de grande quantidade de recursos financeiros em seu balanço.

 

Para minimizar esse impacto, a ELOS disponibiliza aos seus participantes um canal de atendimento direto, visando esclarecer dúvidas sobre seus direitos e solucionar questões de maneira amigável.

 

Antes de adotar o caminho judicial para solucionar os problemas e divergências, verifique e esgote todos os caminhos administrativos disponíveis na ELOS, pois sua demanda poderá ser resolvida de forma rápida, sem gerar gastos para você e para o Plano de Benefícios.

 

Autor: Vivian Beltrame Awad



Fique por dentro do que acontece na ELOS

Abrimos leilão para venda de três imóveis

A venda destes imóveis faz parte do nosso plano de desinvestimento imobiliário

Veja mais
Horários de atendimento em dias de jogos do Brasil

Horários de atendimento em dias de jogos do Brasil

Fique atento aos horários de atendimento diferenciados em dias de jogos do Brasil nas oitavas de final da Copa 2022!

Veja mais
Plano CD – Prazo para alteração de percentual termina final de dezembro

Plano CD – Prazo para alteração de percentual termina final de dezembro

O novo percentual solicitado passa a valer a partir de janeiro de 2023.

Veja mais