Finanças

Plano de equacionamento do déficit do Plano BD-ELOS/Engie foi aprovado pelo Conselho Deliberativo

Publicado em 04/12/19

Participantes começam a pagar nova contribuição extraordinária a partir de janeiro de 2020

 

O Conselho Deliberativo da ELOS aprovou o plano de equacionamento do déficit do Plano BD-ELOS/Engie referente ao ano de 2018 na última reunião do dia 28/11/19 (entenda aqui os cenários propostos). Foi aprovado, por unanimidade, o pagamento do valor mínimo exigido pela legislação, equivalente a R$ 28,6 milhões, pelo prazo de 156 meses (aproximadamente 13 anos).

 

A patrocinadora Engie será responsável por 2/3 deste equacionamento, equivalente a R$19,1 milhões, e os participantes por 1/3, igual a R$9,55 milhões. Esse valor resultará em uma contribuição extraordinária adicional de 1,011% incidente sobre o benefício bruto, que será descontado em seu contracheque a partir do mês de jan/2020. Assim, o total de descontos em cobranças extraordinárias ficará em 6,551%.

 

Dentre as razões para decisão do equacionamento pelo valor mínimo, a mais relevante é que essa forma de equacionamento permite que possíveis resultados positivos dentro dos próximos exercícios sejam incorporados pelo Plano, reduzindo o valor total do déficit.  Dessa forma, neste momento de mudança estrutural na economia, evita-se um compromisso por um prazo maior, com pouca possibilidade de reversão.

 

Veja a apresentação completa sobre o Plano de Equacionamento do Déficit 2018:

Plano de Equacionamento do Défict 2018