Relatório de Rentabilidade do seu Plano

Entenda o cenário econômico de março e o impacto nos investimentos da ELOS

 

Um primeiro trimestre de recordes negativos: Dow Jones, Ibovespa e petróleo tiveram os piores primeiros três meses da história, ao passo que o dólar teve a maior alta ante a moeda brasileira para o período desde 1999, ano da maxidesvalorização do real. Tudo depois que os casos de coronavírus, que paralisaram a China por dois meses, desde o fim de janeiro, se espalharam, provocando uma pandemia, e também travaram a atividade econômica global.

 

Com a disseminação do novo coronavírus pelo mundo, vieram as medidas de contenção. Como consequência, a paralisia econômica deve levar a uma recessão mais intensa do que em 2009. Os Bancos Centrais implementaram medidas de afrouxamento monetário e de sustentação do crédito, enquanto os governos abriram o cofre para uma expansão fiscal que não se via desde a crise financeira de 2008. Nesse processo, destaca-se a postura do FED (Banco Central Americano) que, atuando de maneira antecipada, levou sua taxa de juros no intervalo de 0% a 0,25% a.a. em duas reuniões emergenciais (fato inédito), aumentou massivamente seu balanço e criou uma série de medidas para fornecer liquidez a diversos mercados. A resposta fiscal também está vindo, novamente com destaque para os Estados Unidos, onde foi aprovado um pacote maior que USD 2 trilhões (aprox. 10% do PIB – o dobro do estímulo de 2008). Do lado monetário, o Banco Central do Brasil deverá também responder de maneira mais incisiva, primeiro fornecendo liquidez para o sistema, mas, também, seguindo com o processo de flexibilização monetária.

 

A expectativa de crescimento para o Brasil é revisada para baixo e o consenso de mercado já é de recessão para este ano. O Risco País disparou mais que os seus pares, fechando aos 389 pontos, ante aos 214 pontos em dez/19, representando alta de 81,7% no período. A escalada do nervosismo refletindo essas incertezas elevaram o aumento da volatilidade nos mercados financeiros, tanto em ativos de renda fixa como nos de renda variável. Isso refletiu nas taxas dos títulos públicos, as NTNs – B, por exemplo, os títulos com vencimento em 2024 e 2055, fecharam em março com taxa de IPCA + 3,00% a.a. e IPCA + 4,55% a.a., ante 2,25% e 3,46% a.a., respectivamente, em dez/19.

 

A quase certeza de uma recessão global levou o Dow Jones a ceder 23,21% no acumulado deste ano e o S&P 500 teve o pior trimestre desde 2008, auge da crise financeira internacional. O Ibovespa, contudo, foi além, aos 73.019,76 pontos, elevou as perdas de janeiro até março para 36,86%, superando a queda acumulada em igual período de 1995, na crise do México e quando o Brasil dava seus passos iniciais no plano Real. No mês, a queda de 29,90% foi a maior desde agosto de 1998. Com o petróleo tombando mais de 65% neste trimestre, em meio à crise global e à guerra de preços entre Rússia e Arábia Saudita, os papéis ON e PN da Petrobras, que juntos têm o maior peso no Ibovespa, também derreteram mais de 50% no período.

 

O nível de incertezas sobre a recessão econômica global se exacerbou, o dólar encerrou o período com alta 16,03%, a maior desde 30 de setembro de 2011 (+17,94%). No trimestre, a moeda subiu 29,53% – o que não era visto desde os 33,33% de setembro de 2002.

 

Os investimentos administrados pela Fundação ELOS foram fortemente impactados pelo cenário descrito acima, e por forte volatilidade instalada no mês. Os planos com maiores exposição a ativos de risco, como por exemplo, a Renda Variável, apresentam as maiores desvalorizações.

 

Disciplina, calma e foco no longo prazo são essenciais para momentos como esse.  O investidor deve procurar estudar para não agir no automático e cometer o erro de comprar na alta e vender na baixa. Sendo assim, com a recente desvalorização dos perfis de investimentos, o participante, com seus aportes mensais e do patrocinador, terá oportunidade de comprar cotas do perfil de investimento a preços mais baixos, o que poderá acarretar ganhos futuros.

 

Tendo em vista esse princípio, a Fundação ELOS aproveitou as recentes desvalorizações da bolsa, como também na abertura das taxas de juros, para investir. Alocamos nos fundos de ações já investidos e também compramos NTNs e DPGEs.

 

Depósito a Prazo com Garantia Especial – DPGE, é um título de renda fixa com o objetivo de auxiliar instituições financeiras na captação de recursos. Ele foi criado em abril de 2009 e tem como característica particular a garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito em até R$ 20 milhões para pessoa física ou pessoa jurídica.

 

Acesse aqui o Relatório de Rentabilidade do seu Plano.

 

Autor: Rogério Brenand Pazzim – Gerente de Investimento da ELOS



Fique por dentro do que acontece na ELOS

Revisão Anual do Perfil de Investimento

Os participantes ativos e assistidos do Plano CD podem solicitar a troca de perfil durante o mês de maio

Veja mais
Suspensão do pagamento do seu empréstimo por três meses

Suspensão do pagamento do seu empréstimo por três meses

Em decorrência da pandemia, vamos oferecer novamente este ano a possibilidade de suspensão excepcional

Veja mais
Leilão do imóvel do Sertão do Maruim foi encerrado dia 22/03

Leilão do imóvel do Sertão do Maruim foi encerrado dia 22/03

Recebemos um lance no valor mínimo estipulado para venda. O Conselho Delibarativo já aprovou a proposta.

Veja mais